Bem vindo à Família

LPSA

lerpodeserassustador.blogspot.com.br Onde Ler Pode Ser Assustador

Olá

Somos Ler Pode Ser Assustador

a Família LPSA

Criado em junho de 2013, Ler Pode Ser Assustador é uma família de colaboradores que tem como hobby escrever, traduzir e compartilhar histórias/creepypastas com seus visitantes. Com gênero voltado ao terror, o blog traz mais de Mil publicações, dentre elas: creepypastas, lendas urbanas, livros, séries, filmes, etc. O Blog é mais conhecido por seu trabalho com as traduções da série de creepypastas: The Holders (Os Portadores) e também por suas próprias séries, como: O Terror Está ao Seu Lado, Adote Um Demônio, Pergaminhos da Morte e Meu Pesadelo Acordou Para a Realidade.

|LPSA|

Onde Ler Pode Ser Assustador

Desde 2013

O Escritório - Creepypasta Interativa

[Olá galera! Eu sou o Rogers, um velho conhecido de vocês. Fazem quase 4 anos que estou aqui no nosso querido LPSA.

Vai ser uma data muito especial, com certeza. Eu sempre vi o blog com muito carinho e paixão. Saber que hoje ele é melhor do que ontem me faz sentir orgulho de ser um colaborador.

Mas o que eu quero dizer com tudo isso? Enfim, depois de quase 4 anos escrevendo contos e histórias de terror, minha mente está bem saturada. Encontrar novas histórias, novos meios de contar, nem sempre funcionam e as vezes causam o efeito contrário. Então resolvi procurar novamente em minhas raízes algum jeito de tentar resgatar o medo em meus contos. E acredito que está na hora de retomar esse projeto...

Gostaria de dar a todos as boas vindas a SEGUNDA CREEPY INTERATIVA DO LPSA!

Ela não está nos moldes da primeira (que você pode conferir clicando (AQUI), em que você escolhia apenas um caminho para a história inteira. Dessa vez o caminho se bifurca em várias partes, mais parecido com um livro-rpg. Bem, é complicado explicar... então, porque não vê por você mesmo?

Boa leitura!]

***

O Escritório

Era segunda-feira. Uma segunda monótona, nublada e chuvosa. O escritório da empresa de bonecas Hardoll's estava abafado e quente, apesar do clima úmido lá fora. Julie trabalhava na frente do seu computador, procurando esquecer seu final de semana péssimo. Ela havia brigado com seu namorado pela última vez. Julie tinha seu charme especial. Óculos grandes e pretos, tal como seus olhos. Seu cabelos escuros e ondulados por vezes caiam sobre eles, e ela tinha a mania de assoprá-los para cima. Julie era a funcionária mais esforçada da firma, mas também a mais nova. Seu emprego consistia no mesmo de todos seus colegas. Receber pedidos, anotá-los, repassá-los... Enfim, nada demais. Mas servia para pagar as contas.

Quando Julie ouviu o telefone tocar ao lado da sua mesa, esperava que fosse um cliente que resolvera ligar. Mas não era. E quando ela atendeu, o que ela ouviu foi muito diferente.

As pessoas passavam na frente do gigantesco prédio da Companhia Erguida todos os dias. Cheias de coisas para fazer, cheia de tarefas diárias e metas para cumprir. O escritório da empresa de Julie ficava no 14º andar daquele prédio. Mas as pessoas ocupadas que passavam na frente dele só perceberam o corpo de Julie quando ela já havia caído em cima do carro de alguém que estava trabalhando.

Uns minutos atrás, você estava lá em cima junto de Julie. Você havia levantado para pegar um pouco de água no bebedouro e parou para admirá-la. Ela era uma pessoa boa, e você a achava muito atraente. Julie certamente tinha defeitos, mas você estava muito atraído por ela para achar algum; Quando ela levantou e virou-se para atender o telefone, você desviou o olhar. Mas logo tornou a olhar para ela, pois você viu algo de errado. Sua expressão havia mudado. Algo havia sumido no rosto de Julie. Então ela se dirigiu para a faixada do prédio e em nenhuma hipótese você imaginaria que aquilo acontecesse. Nem em seu pior pesadelo.

Ela simplesmente abriu o vidro e se atirou.

Você não teve reação a princípio. E então você correu para a janela. Você viu o corpo dela sobre o asfalto. Pobre Julie.

Mas você não sabia o que acontecera. Não sabia o que poderia ter causado aquilo. Tudo parecia um sonho ruim. Você precisava espairecer. Sentia suas pernas tremerem e fraquejarem. Seus colegas se aproximaram e ficaram olhando para baixo do prédio enquanto você se afastava e se apoiava em uma mesa. Você respirou fundo e resolveu que sairia dali. Mas algo fez você olhar para a mesa de Julie. O telefone ainda estava fora do gancho.


[TOP 5] - VÍDEOS PERTURBADORES DE EXPLORAÇÃO EM CAVERNAS

Publicações

Alan Wake - Night Springs - 05

EPISÓDIO 5 - TAKEN IN HIS PRIME



210 - The Holders Series - O Portador do Som


Em qualquer cidade, em qualquer país, vá a qualquer instituição mental ou casa de repouso a qual possa entrar. Quando chegar, ande em direção ao balcão de entrada e peça uma audiência com o “Portador do Som”. Quando fala, poderá perceber que não poderá ouvir a si mesmo, ou qualquer ruído em torno de você, e a recepcionista não vai nem olhar para cima e nem responder ao seu pedido. Se este não for o caso, abandone o prédio e não retorne, se sua escolha da instituição for precária.

Se realmente tudo está silencioso em torno de você, olhe para a esquerda da mesa e encontre um corredor que não estava presente no momento de sua chegada. Siga por esse caminho, descendo pelo corredor, os olhos focados a frente e trancados na porta no longo final. Conforme prossegue, seu senso auditivo gradualmente voltará e gritos de agonia, assim como conversas unilaterais que somente clinicamente insanos poderiam imaginar, encherão seus ouvidos. Se a qualquer momento o balbuciar sem fim cessar, cubra suas orelhas e grite com toda sua força: “O que foi concedido não pode ser perdido!”

Se as vozes retornarem, considere-se sortudo se for permitido a você ver outro dia fora de uma sala repleta de vísceras dos antigos Seekers. Continue descendo o corredor até chegar à porta. Bata uma vez e empurre a porta antes de obter uma resposta.

Dentro haverá uma sala completamente vazia, salvo por exceção de uma pequena cama de madeira aos fundos. Sentado na cama estará um jovem de talvez dezenove anos, gazes ensanguentadas onde houvera suas orelhas. Ele estará sentado ali, rolando para trás e para frente, murmurando para si mesmo. Aproxime-se dele e tire as gazes de ambos os lados da cabeça dele, estique-se mais para perto da polpa sangrenta e faça apenas uma única pergunta. Pergunte qualquer coisa que não “Nós vamos entender?” e você sofrerá o mesmo destino que esse homem.

Assim que a pergunta for feita, uma correria dos futuros eventos a cerca de cada um dos Objetos assolará sua mente. Detalhes horríveis de cada morte injusta e ferimentos sobre as mãos dos Seekers tocarão por sua mente e além, acertando seu frágil psicológico com incontáveis ondas de desespero. Se manter sua sanidade pelas visões, encontrará o jovem homem morto e sangrando sobre a cama, uma orelha enclausurada sobre sua mão. Pegue-a dele, saia do hospício e jamais retorne.

A orelha é o Objeto 210 de 538. Que a verdade sobre os Objetos nunca chegue aos seus ouvidos.

Ela dizia...

Shhh...

Calma você vai ficar bem.

Risos

Tudo... vai... ficar... bem...

Ela dizia isso enquanto rompia os ligamentos da minha carne, decepava  meus braços e cortava tiras da pele do meu peito.

Você está tão lindo...

Ela dizia isso enquanto arrancava minhas pálpebras para que eu visse tudo.

Devia ter me ouvido...

Ela dizia isso enquanto inseria duas hastes de metal em meus ouvidos e cortava os meus lábios para depois jogar álcool nas feridas.

Vou guardar cada pedacinho seu em potinhos espalhados pelo meu quarto... aí eu vou sempre... sempre ver você.

Ela dizia isso enquanto abria meu peito... depois disso não sei oque aconteceu, eu não existia mais...

Agora é a sua vez....

Dizia ela quando ia atrás de você.

Escrito por: Camila Nunes
De: Ler Pode Ser Assustador

Objetos da Legião - 582 - O Portador da Diferença


Entre em um campo vazio, estéril e desolado. Certifique-se disso. Não seja seguido ou isso terminará em morte. Tenha cuidado com o que você canta ou diz enquanto passa pelo campo. Se você cantarolar "hum", um homem de cabelo de ébano aparecerá, irá suspirar e franzir o cenho para você.

Você deve ficar sem emoções no momento, ou ele irá matá-lo. Seus olhos serão negros e enevoados. Você deve perguntá-lo por que seus olhos são assim. Primeiramente ele não irá responder a você, mas logo ele desistirá e vai contar os segredos do submundo. Você será um deus agora.

Se você falar, um homem moreno aparecerá antes de você, ele não vai falar ou se mudar. Você deve perguntá-lo se ele conhece monstros. Ele vai apontar para si mesmo depois para você. Você não deve rejeitar o fato de ter colocado antes de você.

Ele então sorrirá e dirá para você se afastar e procurar o colar no campo, depois disso você será um deus, porém sabendo de nada além da ignorância.
Cada caminho resultará no poder de um deus, nem sempre como você pensa. Se você andar em silêncio, os dois homens estarão no final. Eles ficarão de mãos dadas e franzirão o cenho em sua presença. Eles levantarão uma arma, ouro e prata. Eles irão atirar mas errarão de propósito. O ébano dirá que você é um demônio. O moreno apontará para o oeste, dizendo que seu legado de morte está naquele caminho. 

Infelizmente você caminhará pelo oeste, não importa o que faça.

O conhecimento dos homens é o objeto 582 de 538.

"Ele lhe dará um inferno em certo."

The Black Science - Episódio 8

 Ryan Shapes, The Timebreaker (cobaia 39)


Continuando a conversa de Lyla e Ryan em Paris alternativa:


- Você está me dizendo que sou uma cobaia da minha mãe- disse eu.
- Tecnicamente sim- disse ele- AH. Onde está minha educação. Eu sou Ryan Shapes, chamado de Timebreaker pelos cientistas que causaram tudo isso. 

- Mas como você sabe da minha mãe, e como você sabe que eu fui uma cobaia deles, ou quem eu sou?
- Relaxa, eu também fui uma cobaia deles, eu quase fui morto pelos testes feito com o soro, eu consegui escapar de lá depois de muitos tempos controlando a distorção espacial, eu só fiquei sabendo de sua mãe quando eu consegui roubar os arquivos que falam da empresa a mais de 20 anos atrás, quando você era apenas um bebê. Esses testes existem a mais de décadas, o soro é antigo, Dr Jason Lord apenas reiniciou os testes, a imortalidade já é testada a muito tempo.

- Você também conhece esse tal de Jason Lord?-disse eu-esse porque esse homem é tão famoso assim quando se trata de armas biológicas?
- Esse Homem está por trás de tudo isso, ele se infiltrou no governo e mandou você para New Orleans para que você mostre a todos o que o soro foi capaz de fazer, para depois jogar a culpa no Dr Osmund Ramael e em Noah Campbell. Tudo isso foi para acabar com a rivalidade para recomeçar as experiências, ele quer corrigir o que ele chama de erro de cálculos. AQUELE DESGRAÇADO TIROU TUDO DE MIM, TUDO, E AGORA QUER ACABAR DE VEZ COM A NOSSA EXISTÊNCIA, ELE É O VERDADEIRO MONSTRO AQUI.

- Não se preocupe-disse eu- eu vou fazer de tudo para ajudá-lo por uma condição, quero que você me esclareça tudo sobre meu passado, e por que todos querem eu morta ou porque tudo isso está acontecendo.
- Lamentamos atrapalhar a conversa dos pombinhos, mas eu recomendo vocês se beijarem agora enquanto é tempo, porque iremos esmagar seus crânios, não é irmãos

- É claro irmão, nós iremos esmagá-los como insetos. 

pooooooow

 -GERION - disse Ryan

Na hora que a porta do armazém foi arrebentada, surgiu um gigante de 3 metros de altura, de 3 torsos, sendo que cada um possui uma cabeça e dois braços. eram Trigêmeos siameses extremamente fortes e grandes, e essa coisa assim que me viu investiu em minha direção. Ryan de alguma forma acabou me tirando da frente do gigante triplo e fomos teletransportados para fora do armazém.

-Vamos sair daqui rápido, ele não é o único que está nos seguindo, aqui é a dimensão dos monstros, aqui é a toca deles, devemos sair desse mundo antes que Cérbero e os outros nos achem.

Corremos em direção a torre ao Arco Do Triunfo. O estranho é que quando passamos por ele, todos os monstros que estavam nos seguindo desapareceram, e percebi que estávamos em Paris do mundo real dessa vez. Ryan disse:

- Devemos sair de Paris no primeiro voo para a Irlanda do Norte, precisamos ir para lá, na cidade de New Asgard, é lá que um dos laboratórios se encontra, lá você encontrará todas as respostas que precisa.
-Por que você não pode simplesmente me contar o que aconteceu? Eu preciso de respostas o mais rápido o possível, preciso entender o que está acontecendo antes que algo nos acontece.

-Eu não tenho as informações que você precisa, eu contei tudo que sabia, única forma de você entender tudo isso é invadindo o laboratório abandonado da Irlanda do Norte e achar tais informação.

Depois disso, seguimos até o aeroporto e pegamos rumo até New Asgard.

CONTINUA...

AmbuPlay

Sofie, é você?

Olá Galera! Eu sou a Bree, a mais nova escritora do LPSA. Bom, primeiramente fora temer  como esse é meu primeiro post vou falar um pouquinho sobre mim além de trazer minha primeira creepypasta ''Sofie, é você?''.

Apesar de estar cursando Biologia, minha outra metade pertence fielmente ao âmbito artístico. Adoro livros de romance policial e suspense assim como amo filmes de terror e contos do gênero, escrevo desde os 8 anos coisas como: músicas, contos, sonetos, artigos, fan fics. Em 2014 ganhei meu primeiro prêmio literário por uma crônica, hoje eu escrevo voluntariamente para a Obvious Magazine, Fanfic Obsession e agora para a LPSA! 

*** 
Sofie, é você? 

03:00 no relógio. 

Sofie está apagada ao meu lado, as pálpebras completamente fechadas. 

Ouço um estrondo vindo da cozinha. Tum, tum, tum tum meu coração começa a palpitar mais rápido, posso sentir a descarga de adrenalina pelo meu corpo e o sangue gelar em minhas veias. Olho novamente para Sofie, ela não dá nenhum suspiro. Não escutou o barulho.

Desço as escadas cuidadosamente, se for um ladrão ou algo do tipo não quero que perceba que estou acordada. 

Todas as luzes estão apagadas. Se eu fosse um gato talvez enxergaria melhor no breu ao meu redor. Passo as mãos pelas paredes a fim de tentar me localizar, viro à direita da escada e fico à espreita, com o spray de pimenta em mãos. Inspiro e expiro, tento me acalmar. Nada, não vejo vulto algum e não há conversas sobre o que roubar. Direciono o meu olhar para a escada, ninguém está subindo. Suspiro. Ótimo, alarme falso. 

Levanto-me ao me recuperar do medo e procuro o interruptor da cozinha. Meus olhos ardem quando as luzes acendem. Limpo a água que escapou com o dedo indicador. Me viro para a pia e encho um copo, minha garganta está completamente seca. Engulo o líquido aos poucos. 

A porta range. O copo cai das minhas mãos. 

Na minha frente está Sofie. Não consigo ver o rosto dela pois seus cabelos negros estão na frente, sempre digo para ela usar uma tiara para não tampar seu rostinho bonito, poucas crianças tem um rosto tão bonito quanto o dela. 

Dou um sorriso e pergunto o que ela está fazendo acordada. Sofie não me responde. 

Me aproximo e tento tocá-la no braço para levá-la para cima. Ela se afasta. 

Sofie começa a andar em direção à escada, eu a sigo. 

Me vejo parada em frente à escada e Sofie não está mais lá. Será que ela já subiu tão rápido? Não escutei. Subo as escadas e abro a porta do quarto. Lá está ela dormindo como um anjinho, em silêncio. Antes de deitar novamente ao seu lado, dou-lhe um beijo na testa. Ela abre os olhos e me encara

A porta do quarto se abre. Parada na porta está Sofie, mas Sofie está deitada na cama


Escrito por: Carla Gabriela
De: Ler Pode Ser Assustador

D4rk - Medo & Horror

E NA HORA DA MORTE, AMÉM - PART II

Robert está perdido em meio as suas alucinações, está escuro e ele está na floresta, porém não está sozinho, ele está na companhia de psicopatas religiosos que o persegue por onde ele vá, Robert tenta ao máximo se livrar das garras da seita maligna ao coletar misteriosas páginas com rabiscos referentes aos assassinatos da região.

Depois de um longo período sendo perseguido, Robert consegue encontrar um pequeno vilarejo abandonado , tudo indicava que ali teria algo que pudesse ajuda-lo, um lugar obscuro perdido no meio do pesadelo rural, casas destruídas, animais mutilados e esporificados na beira da trilha, em um lugar que reinava a putrefação o investigador mal podia se manter de pé por conta do forte mau cheiro que emanava das casas, e mais uma vez os símbolos eram a atração de arte principal. 


Andando lentamente para não ser percebido no local, se direciona para a primeira casa, na qual há no chão diversos objetos espalhados como se alguém tivesse brigado violentamente, dentre os brinquedos carne de crianças misturados com bonecas velhas e morfadas em um canto junto a várias bicicletas.

É difícil acreditar que alguma criança possa ter morado ali, caminhando mais a dentro dos cômodos vem-lhe um mau cheiro extremamente forte, ele olhou para o chão e viu bastante sangue seco espalhado por todos os lados, o investigador percebeu que a origem do sangue era oriunda de um dos quartos, porém sua porta estava fechada e a curiosidade o induziu a abri-la.

"Arg! Porra!!"

Um lindo quarto de bebê, certamente ali estariam os sonhos de um pai e uma mãe que planejavam o futuro cuidadosamente com alegria, no lugar do berço um simples baú de madeira com palhas secas e madeiritos, quando não misturados ao sangue humano e pedaços de dedos, torna-se um belo aposento de descanso para um bebê, a pintura feita a mão, uma rica pintura a óleo para distrair os visitantes com sua beleza, no entanto ali só haviam pedaços de visitantes azarados.

O bebê? O bebê era a atração principal, pendurado no teto de cabeça para baixo com pontas de tesouras enferrujadas atravessando diversas partes de seu corpo, pingos de sangue desciam por sua cabeça escorrendo no baú de ferramentas e formando uma pequena poça se sangue onde dezenas de moscas se deliravam em um banquete. 


"Satanás inimical del Deio"

Horrorizado com a cena que presenciou, era hora de cair fora dali e acabar com esse malditos.

Robert ao perceber uma presença no local corre para outra casa e tranca todas as portas e janelas, quando ele resolve se trancar em um quarto uma figura assustadora o surpreende, ele desesperado pula pela janela do segundo andar da casa e cai perto do seleiro em seu quintal.

A situação do investigador não é boa, Robert chegou a pensar em se matar antes que pudessem alcança-lo e transformar a situação em algo pior, porém ele acredita ter encontrado uma forma de se livrar desta.

Ao sair desesperado em fuga ele tropeça e em um galho e sai rolando mata a dentro, bate a cabeça e apaga por cerca de 15 minutos, logo após, uma forte dor de cabeça o atormenta, sua visão esta parcialmente turva, mesmo assim ainda é possível caminhar e ele percebe que está em um lugar diferente.

"Merda!, que lugar é esse?"

Ali, uma pequeno portal feito de rochas e barro, totalmente escuro, havia a entrada de uma caverna adaptada para mineração, sem muitas opções ele entra na caverna mas o único modo de enxergar algo é com sua câmera, e não demorou muito para que os indícios de que aquele lugar era parte do processo de psicopatia se mostrasse presente...

Nas paredes da caverna estavam galhos pontiagudos que juntos empalavam homens e mulheres adultos, corpos dissecados e jogados no chão como um lixo qualquer sem a menor preocupação, um lugar pavoroso e com um nível de periculosidade extremo. 


Na esperança de que aquele lugar o levasse para uma solução, e o tira-se dali ele se deparou com dois homens que estavam com os rostos deformados e a pele enrugada, cortes por todas as partes do corpo e símbolos estranhos, e tudo isso exibido a olho nu enquanto os mesmos dançavam em um ritual macabro.

"Que porra estes bastardos estão fazendo, dançando pra porra do Deus deles?"

Ao se questionar de maneira brutal o investigador se atrapalha, escorrega e deixa uma pilha cair, percebendo a presença do investigador no local os integrantes da ceita partem para a perseguição, Robert apavorado dispara o coração, não há como sair dali, o lugar por onde veio está muito escuro e não ha pilhas suficientes.

Antes de se indagar com todas as questões que não permitia que ele pudesse sair dali, ele é surpreendido e pego pelos integrantes da seita, os homens mais desgraçados que ele iria conhecer.

Robert não para de gritar e se contorcer.

"Filhos da puta, me soltem seus miseráveis! Malditos!!"

"Nós vamos precisar de você para uma reuniãozinho, relaxe... não vai doer nada pequeno porquinho", disse um dos integrantes.

"Vão se fuder seus malditos, vão se fuder, vocês não vão fazer nada comigo desgraçados!"

Lentamente os integrantes vão tirando suas roupas, enquanto Robert se desespera em gritos, antes que começassem o ritual eles o amarraram em correntes de ferro, mãos e pés.

Enquanto um integrante oferecia o sacrifício ao seu Deus, o outro se preparava para o ato que para Robert ainda era duvidoso, porém ficou evidente logo após os integrantes abrirem suas pernas rasgarem sua calça e lentamente penetrarem no seu ânus.

O investigador não parava de se contorcer, eram penetrações extremamente fortes e doloridas, mal podia acreditar que a porra de um caipira psicopata estava o estuprando.

"Está gostando querida, isso é para que você se lembre do amor do nosso pai"

"Me soltem, eu vou matar vocês seus bastardos !!!", disse o investigador inacreditado da situação.

Enquanto o sangue descia pelas pernas de Robert o integrante penetrava com mais e mais força, estava deliciando-se de prazer com tamanha desgraça humana quando finalmente ejaculou, após 40 minutos sofridos do ato.

O investigador estava desacreditado.

Na verdade estavam só começando, os estupradores pegaram uma cruz de madeira feita sob medida e enfiaram no fundo de seu ânus, fazendo muito sangue escorrer pela parede. 

"Não, não, não, não, não seus Cuzões, parem seus desgraçados, parem!!" 

"Shiiii.., acalma-se querida... ...não vai doer nadinha"...

Acenderam 7 velas e começaram as orações.

"El satanás venga a caminar entre nosotros, venga a liderar a su pueblo, venga a dar su gracia nuevamente, y hacer que los injustos perezcan, van a chupar la porra de nuestro cu, venga a violar eternamente, haga que nuestras cruces sean espadas en los rabos De nuestros enemigos, damos hora y gracias a nuestro padre, venga a traer el apocalipsis y hacer que nuestros hijos sean sus siervos, nos amamos, nos de fuerza para batallar contra las acciones del bien, nos proteja ahora ya...

... la hora de nuestra muerte, Amén".


Escrito por: Lian Ackles
De: Ler Pode Ser Assustador 
Tradução livre por: Lian Ackles

Eu conheço você

Oi, você não me conhece ainda, mas eu conheço você.
Eu sei onde você mora, sei o seu nome, sei onde você está nesse exato momento.


Pode até parecer clichê alguém vir aqui e simplesmente dizer que o conhece, mas acredite que quando você chega em casa cansado de um dia de trabalho e vai para o seu quarto trocar de roupa, eu estou te vendo.



Quando você vai tomar seu banho relaxante, eu estou te esperando.


Quando você sai atrasado de casa para o colégio ou trabalho eu te observo me deixar sozinho.
Quando você esquece a porta aberta, você me convida a entrar.
Eu posso te ver. Um dia eu me apresento a você, mas até lá eu só te pergunto...


Você sabe o porquê da porta do seu guarda-roupas sempre ter uma fresta?



Escrito por: Camila Nunes
De: Ler Pode Ser Assustador

O Segurança

Acordo cedo, me arrumo para mais um dia de trabalho.

Sou segurança em uma Home Center, todos os dias vejo varias pessoas entrar e sair da loja. Às vezes, me pergunto o que elas fazem quando saem da loja e o que estavam fazendo antes que a fizeram chegar até aqui.

Bem, levarei minha esposa para o serviço junto a mim. Hoje é Domingo, vou precisar fazer extra, e não faz mal ela ver o que faço, assim ela pode ficar pertinho de mim.

Enfim chegamos, mas estranho o lugar assim que paro. A loja está escura, normalmente tem muita luz no lugar, principalmente pela quantidade de luminárias que existem na entrada... mas hoje é Domingo, acho que da para entender o paradão.

Minha mulher ficou no carro, consigo ver ela da entrada da loja. Às vezes penso que sou muito sortudo por ter ela comigo.

11:00.

Acabo de ver minha mulher se maquiar no carro. Chamo ela para conhecer a loja.

Ela esta com seu inseparável caderninho de anotações, digo a ela para entrar e ficar a vontade, olhar tudo com calma e paciência. Os olhos dela brilham e a vejo quase saltitar dentro da loja.

Ela está feliz, isso é bom...

Ela anda pelos corredores e a perco de vista na parte das cerâmicas.

Não me preocupo, afinal, ela está na loja.

As luzes piscam e as moças do caixa se olham em desconfiança, a porta principal começa a se fechar. Presumo que seja alguma falha na parte elétrica, aciono os outros dois seguranças para alertar o que ocorre.

Vejo uma movimentação extra na sessão das mesas.

Vou checar...  assim que me aproximo desejo não ter feito isso.

O chão está completamente vermelho. As embalagens decorativas estão escorrendo sangue quente.

Olho para trás de um dos caixotes que acompanham as mesas e vejo a ponta da perna de alguém deitado... estou tremendo... coloco minha mão em cima da arma de choque. 

Assim que chego perto o suficiente reconheço o rosto... Alana... minha gerente estava estirada no chão, morta... seu corpo estava quase que completamente desfigurado, com exceção de seu rosto que estampava um olhar de terror e um sorriso maníaco nos lábios. 

Chamo pelos outros dois seguranças no rádio... não respondem...

Carla....

Olho em volta da loja procurando minha mulher, mas não consigo vê-la em lugar algum... começo a andar entre as sessões na esperança de encontra-la bem.

Assim que chego no setor de tintas, ouço um ganido alto e estridente. Sinto algo pingar no uniforme... olho para cima de vagar.

No alto das grandes prateleiras de ferro aparece uma figura grande e negra, a única coisa que consigo distinguir são os grandes dentes afiados. 

Chamo por Carla e corro o mais rápido que posso para a sessão onde a perdi de vista e, quando chego, vejo ela no chão. Em cima dela tem uma daquelas coisas pretas. 

Grito para deixar ela em paz. Carla reconhece a minha voz...

A coisa levanta o que parece um braço e eu pulo em cima daquilo enterrando a arma de choque na cabeça dele. Ele grunhe com uma altura absurda. Cambaleei para o lado derrubando uma prateleira de pastilhas de vidro, e ele pula.

Aquela coisa pulou mais de dois metros de altura em direção ao topo da  enorme prateleira.

Carla está bem.

Levanto a minha mulher e corro em direção a saída da loja. Mas as luzes se apagam e ouço Carla gritar.

Tento segurar forte sua mão mas uma força maior a arrasta para longe de mim.

Sinto uma dor aguda nas costas e um barulho de algo cair e quebrar.

De repente as luzes se acendem e Júlio, o diretor, grita.

- CORTA!

Todas as luzes da loja se acendem e todos os funcionários da loja se reúnem para escutar.

- Porra André! Eu já falei pra prender a merda do microfone direito! Assim a gente nunca termina as gravações.

E pela terceira vez tivemos que recomeçar as gravações do filme:

 "O Segurança".

Escrito por: Camila Nunes
De: Ler Pode Ser Assustador

Objetos da Legião - 5 - O Portador do Cataclismo


Em qualquer cidade, em qualquer país, vá até a casa do seu amigo mais próximo. Tenha certeza que seu amigo tem pelo menos um irmão. Vá ao quarto deles, e coloque a mão no espelho ou, se eles não tiverem um, coloque a mão na parede oposta ao banheiro. Peça para encontrar "O Portador do Cataclismo".

Por outro lado, você será empurrado dentro de uma realidade alternativa, onde é escuro, mas você será capaz de ver perfeitamente. Tudo está ao reverso e, onde sua sombra estava, uma versão cheia de cores sua está lá. Você é sua sombra agora. Prossiga para fora do quarto.

 Você deve estar na mesma casa, com tudo em uma maneira similar de como era no quarto. A sombra de seu amigo ou, melhor, do Portador do Cataclismo, estará lá. Ele ou ela te entregará uma pedra, que, ao longo de quatro dias, você deve abri-la. Se falhar então, você ficará preso nas Sombras, onde tudo em sua vida será perfeito, e isso será sua tortura.

Nas Sombras, tudo é reverso. Todo prazer na vida real será recompensado com dor nessa realidade, felicidade com tristeza, paciência com raiva, e assim vai. As Sombras continuarão a te atacar com felicidade por um mês, até que você veja sua vida real se descascando e te trazendo de volta para casa para abrir a pedra em três dias. Se você não for capaz, o ciclo irá se repetir, e somente você terá dois meses cheios de desprazeres para esperar e dois dias para abri-la, e o ciclo repetirá até que esteja preso nas Sombras pela eternidade, a menos que você escape.

A habitual razão para que os Seekers sejam presos nas sombras é que eles assumem que acreditam que devem abrir a pedra em suas mãos. Isso, porém, não é verdade. Enquanto outro item nas Sombras passam por suas mãos, você deve trazer Objetos para dentro das Sombras. Qualquer contato entre a rocha e um Objeto irá destruir a pedra, e, com isso você receberá a chave que está lá dentro.

Nesse ponto, se você abriu ela com suas mãos ou com um Objeto, você deve segurar a chave na frente do Portador, e perguntá-lo, "É uma passagem natural?" A origem dos Objetos será contada (ou repetida se você já tiver ouvido, mas com a resposta da questão dentro dela). Ele/ela vai então te entregar a mesma pedra que acabou de abrir, mas com um buraco de fechadura nela. Não, contudo, coloque a chave no buraco ainda. Se fizer isso, você será transportado de volta para sua realidade original sem seu Objeto.

Ao invés, toque a mão da sombra do seu amigo. Um ou mais de seus irmãos irão surgir pela porta naquele momento. Ele ou ela irá se aproximar de você com o Objeto, um colar com um pingente de olho. Nesse momento, quando colocar a chave na fechadura, você será transportado de volta para casa. Se nenhum irmão entrar, você deve sair espontaneamente, mas sem nenhum Objeto. Porém, quando os pais entrarem, saia rápido.

O Colar que você possui agora tem o poder de causar eventos de cataclismos como tsunamis, furacões, erupções vulcânicas, terremotos, tornados, etc., por quarenta dias após cada uso. O colar também envia transmissões de rádio em qualquer estação (com um alto, nítido beep) para qualquer lugar no mundo quando usado. Isso será você quem decidirá.


O Colar é o Objeto ? de 2538.

"Ele saberá quando isso aparecer."

Alan Wake - Night Springs - 04

EPISÓDIO 4 - DREAM OF DREAMS



SOBRE

Criado em junho de 2013, Ler Pode Ser Assustador é uma família de colaboradores que tem como hobby escrever, traduzir e compartilhar histórias/creepypastas com seus visitantes. Com gênero voltado ao terror, o blog traz mais de Mil publicações, dentre elas: creepypastas, lendas urbanas, livros, mangás, séries, filmes e etc).


Política de Blog, Ler Pode Ser Assustador

O Ler Pode Ser Assustador é um blog que publica conteúdo de própria autoria e também de terceiros, o que é totalmente válido por se tratar de um blog que utiliza-se do meio copy/paste que originaram as famosas "creepypastas", de onde surgiram tantos outros blogs como o LPSA e que alguns, inclusive, são nossos parceiros.

Para conteúdo compartilhado de terceiros, sempre ao fim da página haverá crédito a fonte do conteúdo, normalmente evidenciado da seguinte forma:

- Para compartilhamento de conteúdo mantendo a originalidade da fonte:


- Para compartilhamento de conteúdo adaptado:

Adaptado por: Nome do Colaborador

PS: O link é da publicação no site fonte.

Para publicações autorais:

O LPSA, por ser um site copy/paste, mantém todas as suas publicações sem proteção contra cópias. Porém, de forma respeitosa, evidenciando em fonte a origem da publicação. Desta forma, solicitamos a todos que forem compartilhar nossas PUBLICAÇÕES, CONTOS, HISTÓRIAS, SÉRIES, CREEPYPASTAS AUTORAIS, evidenciadas por:

Escrito por: Nome do Colaborador
De: Ler Pode Ser Assustador

Tradução livre por: Nome do Colaborador

Nos apresentar em fonte.

Cordialmente,

Equipe Administrativa LPSA

QUEM FAZ O LPSA?

ENVIE SUA MENSAGEM!